O cronista social Carlos Castro, de 65 anos, foi encontrado morto esta madrugada, num quarto do Hotel Intercontinental, em Nova Iorque, Estados Unidos.


O jornalista fez check-in no hotel no passado dia 29 de Dezembro, acompanhado pelo modelo português Renato Seabra, de 20 anos, para já o principal suspeito do homicídio cometido no 34º andar do hotel nova-iorquino e que foi já detido pela polícia.

Renato Seabra, que foi um dos finalistas do programa “À procura do sonho“, da SIC, terá abandonado a unidade hoteleira pouco tempo antes de o corpo ter sido encontrado.

De imediato, os agentes policiais distribuíram imagens do manequim que acompanhava Carlos Castro, tiradas da rede social Facebook, onde este tem uma página com quase 2 500 fãs.

Renato Seabra foi detido poucas horas depois do homicídio num hospital local, onde ainda se encontrará sob escolta policial.

“Por volta da 11 horas (da noite de sexta-feira, em Nova Iorque), o Renato deu entrada no Roosevelt Hospital, com cortes no pulso, pois tinha tentado matar-se“, disse à agência lusa o jornalista Luís Pires, amigo de Carlos Castro.

A polícia terá sido chamada ao Hotel Intercontinental, em Nova Iorque, perto das 19 horas locais (meia-noite em Portugal Continental), tendo encontrado Carlos Castro inconsciente e com sinais de agressão na cabeça e mutilações sexuais.

Ainda segundo a estação de televisão nova-iorquina Ny1, Carlos Castro foi declarado morto ainda no local pelos paramédicos.

Fonte: JN