"Hoje estava eu a tomar um café, no Bar do Alfredo, quando, desesperadamente, precisei de dar um peido.

A música estava bem alta. Então calculei soltar o gasoso em sincronia com o ritmo.

Assim o pensei, assim o fiz. Lá se foram os gases da fermentação da feijoada, molho de repolho e ovos cozidos, sendo libertados ao ritmo da música.

Fiquei orgulhoso pelo peidão fragmentado, ritmado, em sincronismo perfeito com a música... Comecei a sentir-me melhor e mais aliviado...

Terminei meu café tranquilamente... só então notei que toda a gente estava a olhar para mim.

Então lembrei-me que estava a ouvir música do meu iPod...

Nunca mais tomo café ali."