Esta cena faz parte do filme "Licensed to Love and Kill" (em português “Agente nº 1… o Maior”) de 1979 e, na minha modesta opinião, é seguramente a cena mais ridícula que alguma vez vi num filme.